Estrutura com palcos, pavilhões e tendas cria o circuito da latinidade do Fasp em Corumbá e Ladário

Berço da cultura que une os dois Mato Grosso (do Sul e Norte) e a fronteira com a Bolívia e Paraguai, Corumbá respira e inspira a latinidade que traduz mais uma edição do Festival América do Sul Pantanal (Fasp). Antes mesmo de sua abertura, marcada para a noite desta quinta-feira (14), o evento internacional já mobiliza a população de toda a região, com várias atividades culturais, além de movimentar toda a cadeia produtiva local.

A megaestrutura que está em fase final de montagem em vários pontos de Corumbá e da vizinha Ladário – as cidades foram fundadas na mesma época, em setembro de 1778 – revela a dimensão de um festival que, em sua 15ª edição, celebra o “Coração da América” com uma extensa programação envolvendo as artes, história, cultura, turismo, integração e sustentabilidade. Como pano de fundo o Rio Paraguai – o homenageado este ano.

O circuito principal do Fasp, como todos os anos, está sendo instalado na Praça Generoso Ponce, palco dos grandes eventos da cidade, como o carnaval. Ambiente privilegiado, com suas palmeiras centenárias e divisor do centro com o porto-geral. Das suas encostas, habitadas por comunidades de pescadores e cercadas pelos imponentes casarios construídos pós-guerra com o Paraguai (1864-1870), descortina-se a imensidão da planície pantaneira.

Mais de 300 trabalhadores enfrentam o forte calor na finalização da montagem da megaestrutura. A praça contará com o Palco Integração, com cobertura e seis camarins, onde serão realizados os shows ao vivo, com sistema de iluminação e áudio profissional, abastecido por quatro pontos rebaixados da energia elétrica e suporte de quatro geradores. O circuito terá, ainda, um camarote de 400 metros e praça de alimentação com 50 quiosques e 44 banheiros químicos.

Trabalhadores finalizam montagem da estrutura na Praça Generoso Ponce, palco dos grandes eventos em Corumbá

Na Avenida General Rondon, que integra a praça, foram instalados os pavilhões e stands destinados a Galeria de Artes Visuais, Artesanato, Governadoria, Saberes Indígenas, Literatura, Mostra MS e dos Países (Brasil, Peru, Argentina, Bolívia, Paraguai, Colômbia e Venezuela). A Praça da Independência também terá um palco para apresentações artísticas e está sendo montadas tendas no porto-geral, ao lado do Centro de Convenções e no Moinho Cultural, para atividades circenses e do Quebra-Torto Literário. Ladário terá um palco com camarins ao lado do coreto da Avenida 14 de Março.

Avenida da Latinidade

Nos pavilhões e stands, o público terá acesso das 15h às 23h, para visita e comercialização de produtos de artesanato, artes plásticas e literários do Estado e dos países convidados. O espaço Mostra MS destina-se à exposição e comércio de produtos originados do Estado dos setores criativos das artes visuais, design, modas sustentável, gastronomia regional, saberes tradicionais e editorial. Expositores: Fábio Roberto Vitor – Fábio Quill (Artes Visuais), Felipe Domingos Monteiro – Tamanduá Café (Gastronomia), Beatriz Branco de Araújo – Angí (Gastronomia), Sandra Padilha (Moda), Jaqueline Rosa Augusto – de.UNA (Moda), Ana Helena de Sampaio Mattos – YBÁ Cosméticos (Saberes e Fazeres Tradicionais), Virginia Ly Lito Pinto – Aguapé (Saberes e Fazeres Tradicionais), Angérica Hidemi Ohashi – Eko Presentes (Design de Móveis e Objetos).

Praça de Alimentação, na Generoso Ponce: sabores pantaneiros e emprego e renda para a comunidade local

O Stand da Literatura terá a participação das instituições literárias de MS para lançamentos de livros, declamações, divulgação e comercialização de suas obras. Foram convidadas para compor o stand a Academia Sul-Mato-Grossense de Letras (ASML), Academia Feminina de Letras e Artes de MS (AFLAMS), União Brasileiras de Escritores de Mato Grosso do Sul (UBE/MS) e ALEC. A Tenda Saberes Indígenas terá artesanatos indígenas e atividades culturais com a participação das etnias do Estado.

Com a Galeria de Artes Visuais, o Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul (MARCO) participa do Fasp enaltecendo os renomados artistas paraguaios pela contribuição de seus trabalhos que serviram como inspiração para as novas gerações por meio de suas técnicas e possibilitando um ponto de vista sobre esses diferentes universos em suas obras.

O Festival conta também com a curadoria de Ruberth Román Añez na seleção de renomados artistas bolivianos, compondo o acervo da mostra internacional de artes visuais, propondo novas leituras de acervos latino-americanos. Artistas expositores: Júlio César Alvarez (Paraguai), Júlio Gonzalez (Paraguai), Selmo Martinez (Paraguai), Luiz Vera (Paraguai), Juan Britos (Paraguai), Jamir Johanson (Bolívia), Roxana Molina (Bolívia) e William Añez Duran (Bolívia).

Fasp – Realizado com investimento público do Governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, e patrocínio da Energisa, Vale, Caixa Econômica Federal e Governo Federal, o 15º Festival América do Sul Pantanal (Fasp) acontece entre os dias 14 e 17 de novembro. A programação foi pensada para agradar a todos os gostos. Confira: http://www.fundacaodecultura.ms.gov.br/wp-content/uploads/2019/11/PROGRAMACAO-A4.pdf

24°C

Corumbá

Mostly Cloudy

Humidity 89%

Wind 6.44 km/h

  • 05 Oct 201831°C22°C
  • 06 Oct 201832°C22°C